quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Carla Maciel ou Miss Maci - VLCD!

Carla Maciel, em "VLCD! - Do lugar onde estou já me fui embora", criação colectiva, Teatro Meridional, 2008.
Fotografia @ Margarida Dias

Assinalo esta participação da Carla Maciel como uma das mais valiosas que pude testemunhar no meu percurso de encenação. Não apenas no que diz respeito ao resultado final (que é excelente pela riqueza, profundidade e rigor) mas sobretudo pela atitude durante todo o processo de ensaios. Que foi de uma entrega sem limites em cada segundo, sempre com propostas, movida por uma enorme vontade. Longe do tremendo fardo do ego, com uma maior capacidade , portanto, de se levantar quando caía, numa contínua adaptação às incertezas e aos desconhecidos. A Carla, em cada dia que passou, tornou este VLCD! mais possível ainda.

Ela foi a primeira pessoa que ouvi dizer "eu acredito neste espectáculo!" e foi a que mais o repetiu. Mal sabe o quanto me fortaleceu e inspirou nos dias de dúvida e de abismo, quando as coisas não apareciam ou simplesmente corriam mal. Mas sempre que a observava trabalhando, o mundo reconstruia-se-me. Hoje, ela pode crer nisso, cada palma recebida neste espectáculo deixa-me feliz por todos, mas não consigo deixar que à memória me assaltem pequenos flashes dos ensaios, onde o seu corpo, a sua atitude, a sua vontade indomável me iam dizendo, paulatinamente, contra todos as certezas do medo, que estas palmas iriam mesmo acontecer.

Mas a sua grande virtude é mesmo a integridade. O que diz e sente é o que está realmente a acontecer dentro de si. É justa e o seu sentido de oportunidade é ficar do lado em que acredita estar a razão, independentemente disso a prejudicar ou não. Escutar uma opinião da Carla é meio caminho andado, mesmo que não concordemos, pois estamos perante uma pessoa com quem sabemos poder contar. E, na minha opinião, é sobretudo por isso - por ter dentro de si um compromisso com a verdade -, que em cena faz discorrer um sentido tão aprofundado de verosimilhança. Vê-la falar ao telefone em VLCD!, por exemplo, naquela língua que ninguém conhece (apenas vagamente reconhece), é um deleite. Todos os dias parece que está a acontecer pela primeira vez, aqui e agora. Só os que possuem dentro de si o dom da verdade sabem tão bem mentir... E é aqui que a mentira se faz palavra bela: quando existe não para se tirar uma vantagem de uma pessoa mas, pelo contrário, beneficiá-la.

A Carla é, seguramente, o exemplo de que é possível ser-se exímio numa arte. Trabalhando-se para isso, pois claro. Esse trabalho árduo e assíduo, intenso e tranquilo, personificado por ela, é que chamo de talento!

Obrigado.

Sem comentários: