sábado, 22 de novembro de 2008

Poema da lua e do oleiro

Foi devido a este texto que defini a profissão de Alabad como sendo a de oleiro. Mais uma vez um pequeno poema nasce ainda quando não existe uma ficção e uma narrativa concretas, tornando-se responsável por definições nucleares. Alabad, como introdução, anunciava o que ia dizer da seguinte forma: "Ó lua, ó bela lua, recebe este poema, que é tudo o que tenho, para além da baba e do ranho..."



Sem comentários: